Rede Unida, 11º Congresso Internacional da Rede Unida


Tamanho da fonte: 
MOTIVOS PARA A NÃO ADESÃO À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE CAMPINAS/SP
César Augusto Paro, Núbia Garcia Vianna, Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima

Resumo


Introdução: O termo adesão abrange muitos significados, não havendo ainda consenso sobre seu conceito. Na literatura, há desde estudos que consideram o paciente como passivo ao tratamento, desconsiderando-o como ser social dotado de expectativas, conhecimentos, interesses e valores socioculturais, que produzem sentidos e ressignificações sobre o tratamento de sua enfermidade, até estudos que tomam o sujeito com um papel ativo no seu processo de viver e conviver com a doença e com o tratamento. Objetivo: Analisar os motivos relacionados a não-adesão de pacientes à terapia fonoaudiológica em um Centro de Saúde de Atenção Básica do Município de Campinas. Método: Estudo exploratório do tipo ex-post facto de caráter qualitativo desenvolvido com os pacientes ou seus responsáveis atendidos em um serviço de saúde e que não aderiram à fonoterapia. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, a fim de apreender os motivos e atitudes enunciados pelos pacientes ou seus responsáveis em relação a não-adesão à terapia fonoaudiológica. As entrevistas foram transcritas e sistematizadas considerando-se os pressupostos da Análise Temática, técnica da Análise do Conteúdo. Resultados: Foram entrevistados dez sujeitos. Na análise, emergiu uma diversidade de temas e subtemas, desde relativos ao motivo do abandono, até a avaliação dos atendimentos de fonoaudiologia na visão dos usuários e organização da dinâmica familiar para comparecer ao atendimento. Este estudo indicou serem diversos os motivos do abandono à terapia fonoaudiológica no contexto da Atenção Básica, tais como: incompatibilidade de horário, dinâmica dos atendimentos, observação de melhora/resolução do caso, desmotivação do paciente e necessidade de realizar tratamento prévio em outra área. Conclusão: Foi possível observar a presença de distintos motivos relacionados ao abandono numa mesma entrevista, aspecto que corrobora com o apontado pela literatura nacional e internacional, que caracteriza o processo de adesão/não-adesão como complexo e multifatorial. Por fim, ressalta-se a importância do fonoaudiólogo propiciar cuidado integral à saúde dos usuários. Para tanto, faz-se necessário estar atento às singularidades de cada sujeito que é alvo de sua prática, dando especial apoio àqueles que apresentam baixa expectativa de adesão, sempre levando em consideração que o profissional de saúde é corresponsável na adesão do sujeito ao processo terapêutico.

Palavras-chave


Adesão do Paciente; Fonoterapia; Atenção Primária à Saúde; Fonoaudiologia

Referências


1. Gusmão JL, Mion Jr D. Adesão ao tratamento - conceitos. Rev Bras Hipertens. 2006;13(1):23-5.

2. Leite SN, Vasconcellos MPC. Adesão à terapêutica medicamentosa: elementos para a discussão de conceitos e pressupostos adotados na literatura. Ciên. saúde colet. 2003;8(3):775-82.

3. Bertolozzi MR, Nichiata LYI, Takahashi RF, Closak SI, Hino P, Val LF et al. Os conceitos de vulnerabilidade e adesão na Saúde Coletiva. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(Esp.2):1326-30.

4. Reiners AAO, Azevedo RCS, Vieira MA, Arruda ALG. Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. Ciên. saúde colet. 2008;13(Sup. 2):2299-306.

5. Tobar F, Yalour MR. Como fazer teses em saúde pública: conselhos e idéias para formular projetos e redigir teses e informes de pesquisa. Tradução de Maria A. Cançado. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2001.

6. Fraser MTD, Gondim SMG. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia. 2004;14(28):139-52.

7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8º ed. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec; 2004.

8. Miller NH, Hill M, Kottke T, Ockene IS. The multilevel compliance challenge: recommendations for a call to action. A statement for health care professionals. Circulation. 1997;95:1085-90.

9. World Health Organization. Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: World Health Organization; 2003.