Rede Unida, 11º Congresso Internacional da Rede Unida


Tamanho da fonte: 
FATORES DE RISCO PARA HEPATITE B ENTRE OS USUÁRIOS DE CRACK
Anderson Silva Sousa, Thiego Ramon Soares, Antonio Tiago da Silva Souza, Valderlene dos Santos Freire, Adna Maria Castro, Luma Ravena Soares Monte, Ilmara Cecília Pinheiro da Silva Moraes, Laureni Dantas de França, Telma Maria Evangelista de Araújo

Resumo


Introdução: A infecção pelo vírus da Hepatite B representa um objeto de preocupação das autoridades sanitárias em âmbito mundial e dentre os fatores relacionados a sua alta prevalência encontra-se o aumento no consumo de drogas pela população. Objetivo: Investigar a vulnerabilidade dos usuários de crack cadastrados nos Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPSad) do Piauí, com relação à infecção pelo vírus da Hepatite B. Metodologia: Trata-se de um inquérito epidemiológico, realizado com 343 usuários nos CAPSad do Piauí, os quais estão distribuídos em quatro municípios. Os dados foram coletados no período de novembro de 2011 a maio de 2012, por meio de entrevistas. E analisados com a utilização do Statistical Package for the Social Science, que calculou as frequências e o teste de qui-quadrado para testar associações entre as variáveis dependentes e independentes de interesse do estudo. Adotou-se um nível de significância estatística fixado em p≤0,05, com intervalo de confiança de 95%. Resultados: Observou-se a prevalência do sexo masculino (84,8%), com média de idade de 29,2 anos. Os fatores de riscos predominantes foram múltiplos parceiros sexuais (53,4%), uso de álcool (62,1%) e outras drogas (59,1%) antes do sexo, história de prisão (65,0%) e tatuagem (58,9%). Conclusão: Os usuários de crack constituem um grupo com a suscetibilidade aumentada à infecção pelo vírus da Hepatite B, devido aos comportamentos de risco por eles assumidos, especialmente o sexual. Ressalta-se a importância da participação do enfermeiro na execução das políticas direcionadas para esta população, com ênfase nas atividades educativas.

Palavras-chave


Hepatite B. Cocaína crack. Vulnerabilidade

Referências


  1. Guimarães CF, Santos DVV, Freitas RC, Araujo RB. Perfil do usuário de crack e fatores relacionados à criminalidade em unidade de internação para desintoxicação no Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre (RS). Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul. 2008; 30(2): 101-108.
  1. Azevedo RCS, Botega NJ, Guimarães LAM. Crack users, sexual behavior and risk of HIV infection. Rev. bras. Psiquiatr. 2007; 29(1):26-3.
  1. Chaves TV, Sanchez ZM, Ribeiro LA, Nappo SA. Fissura por crack: comportamentos e estratégias de controle de usuários e ex-usuários. Rev. Saúde Pública. 2011; 45(6): 1168-1175.

 

  1. Dias AC, Araújo MR, Laranjeira R. Evolução do consumo de crack em coorte com histórico de tratamento. Rev. Saúde Pública. 2011; 45(5): 938-48.
  1. Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de ensino nas 27 capitais brasileiras. São Paulo: CEBRID, 2010.
  1. Duailibi LB. Revisão Sistemática: Perfil dos usuários de cocaína e crack no Brasil [tese]. São Paulo (SP): Universidade Federal de São Paulo; 2010.