Rede Unida, 11º Congresso Internacional da Rede Unida


Tamanho da fonte: 
RELATO DE EXPERIÊNCIA: CONSCIENTIZAÇÃO DE IDOSOS CONTRA A POLIFARMÁCIA E A AUTOMEDIACAÇÃO
Gabriella Cristina Coelho de Brito, Lara Amorim Beltrão, Camila Sousa Gonçalves, Carla Valentina Melo de Matos, Camila Moreira Nobre Bonfim, Ivna Silva Gonçalves, Joseane Marques Fernandes

Resumo


Identificação do Problema: Recentemente tem-se observado um grande avanço tecnológico na Medicina, permitindo o aumento da expectativa de vida. O crescimento da população idosa implica maior necessidade de tratamentos para doenças crônicas. No Brasil, pelo menos 85% da população idosa têm alguma doença crônica. O uso de múltiplas medicações pode trazer grande benefício à qualidade de vida do idoso quando utilizados adequadamente, no entanto alguns tratamentos com polifarmácia são inapropriados e podem levar a interações medicamentosas. Descrição da Atividade: Durante a disciplina de Integração de Serviço Ensino e Comunidade de uma Faculdade de Medicina de Fortaleza, foi proposta a realização de palestras para um grupo de idosos moradores da Praia da Futuro em Fortaleza – CE. Um dos temas abordados foi o uso de medicações diversas pela população idosa. Para isso, buscou-se o uso de uma metodologia lúdica e uma roda de conversa. A apresentação foi iniciada com uma breve explanação acerca das enfermidades mais prevalentes na população-alvo, já que os medicamentos mais utilizados por este grupo são para controle dessas doenças, cujas maiores prevalências eram hipertensão arterial e diabetes mellitus. Então, os facilitadores elaboraram tabelas que foram preenchidas pelo grupo de idosos com todas as medicações usadas em seus respectivos períodos do dia. Ao final do preenchimento, iniciou-se uma discussão acerca das medicações presentes nas tabelas, emergindo então uma nova temática, a qual abordou a automedicação, bastante comum entre os expectadores da palestra. Desse modo, foram expostos os malefícios da automedicação, dentre eles os efeitos adversos de uma polifarmácia. Efeitos Alcançados: O grupo de idosos foi bastante participativo durante todas as etapas da exposição dialogada. Portanto, foi possível conscientizar, por meio da apresentação e da análise conjunta da tabela de medicamentos, a necessidade de consultar um profissional de saúde antes de iniciar ou suspender qualquer tipo de medicação, evitando, portanto, a polifarmácia, o tratamento inadequado e suas possíveis complicações. Recomendação: Sugere-se o aumento na frequência de atividades que façam a promoção da saúde e a conscientização da população idosa acerca do uso de medicamentos; proporcionando a melhoria da qualidade de vida na terceira idade e a diminuição de efeitos adversos, e a criação de um espaço de diálogo e aprendizado conjunto.

Palavras-chave


Polifarmácia; Idosos; Automedicação